Herói dos empresários, Salim Mattar quer privatizar tudo

Em entrevista exclusiva, o secretário especial de Desestatização revela que oito grupos empresariais estão interessados nos Correios e diz que governo vai anunciar 10 estatais que também serão privatizadas

Entrevista com Salim Mattar , secretario especial de Desestatização e Desinvestimento do Ministério da Economia - Foto: Flávio Tavares/O Tempo
Mineiro e presidente do conselho administrativo da Localiza, empresa de aluguel de carros que teve mais de R$ 6 bilhões de faturamento líquido no ano passado, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Salim Mattar, foi recebido como um herói por empresários presentes no Minascon 2019, nessa quarta-feira.

O motivo da recepção calorosa no evento, realizado por representantes da indústria da construção civil de Minas, é seu papel no governo federal que, em suas palavras, é de “desconstruir o Estado" por dentro. Durante a abertura, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Flávio Roscoe, disse esperar de sua atuação o fim do “Estado paquiderme” brasileiro.

A admiração se estendeu ao público, majoritariamente de empresários, que o aplaudiu de pé. Um deles, que prefere não se identificar, afirmou que “se ele fizer 5% do que está prometendo” o Brasil será “Bora Bora em 2020”. Outro, se entusiasmava toda vez que o secretário prometia dar mais espaço à iniciativa privada. Em sua palestra, que durou cerca de uma hora, Mattar falou sobre vários temas, mas o foco principal foram críticas aos “sociais democratas e socialistas” que, de acordo com ele, governaram o Brasil durante 40 anos.

Ele condenou a constituição de 1988 e os “90 direitos e 7 deveres” que garantiu ao cidadão. O secretário afirma que a Carta Magna é “uma aberração” responsável por “tirar o Brasil da liderança que tinha sobre os países emergentes”. Mattar chegou a exibir um gráfico durante a apresentação, no qual relacionava a “queda de produtividade do PIB por trabalhador” com a promulgação da Constituição.

A trajetória de Salim Mattar na política, depois de quase 50 anos na iniciativa privada, começou, de acordo com ele, com um convite do ministro da Economia, Paulo Guedes, de quem é amigo há 28 anos. Salim brinca que o ministro está “à esquerda” dele e diz que seus planos para o governo são ambiciosos: privatizar o maior número possível de empresas estatais até 2022.

O secretário, que chegou a defender em agosto que o Estado não deve fazer investimento algum, deu o pontapé para alcançar seus objetivos na metade do mês passado, quando anunciou, ao lado de Guedes e do presidente Jair Bolsonaro, 17 estatais que pretende privatizar. Na lista, constam empresas como os Correios, a Eletrobras e a CeasaMinas.

Em entrevista exclusiva, o secretário afirmou que há oito grandes grupos, entre nacionais e internacionais, interessados na compra dos Correios e que, em trinta dias, o governo deve anunciar um novo pacote de privatizações, que tem entre seis e dez outras estatais que serão vendidas até 2022.

Mattar revela que o Ministério da Economia deve apresentar um projeto de “aceleração” do processo de privatização de empresas estatais no Brasil e que não há qualquer apoio ou interferência do governo federal na privatização da Cemig, em Minas Gerais.

Em agosto, o senhor voltou a afirmar que o motivo de estar no governo é “que o presidente gosta de privatizar”. Alguns dias depois, Guedes, Bolsonaro e o senhor anunciaram 17 estatais que devem ser privatizadas. Na terça-feira, o presidente-executivo do BNDES, Gustavo Montezano, afirmou em evento com investidores em Nova York que o banco não pretende concluir privatizações em 2019, mas que a venda de ativos deve ser acelerada no ano que vem. Como está a expectativa do governo com esse processo? Há alguma previsão?
Pelo processo de privatização atual da Lei brasileira, temos que passar a estatal para o Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) e, depois, para o Plano Nacional de Desestatização (PND). O país é um tanto socialista, regulador, centralizado. Qualquer empresa para ser vendida precisa ser vendida pelo BNDES.

Então, automaticamente canalizamos todas as empresas para o banco. Temos 17 estatais no pipeline, atualmente. Algumas poderão ser vendidas em 2019, mas o processo é lento, burocrático. Uma empresa que, na iniciativa privada, vende-se em 45, 60 dias, no governo gastamos um ano para poder vender, senão mais.

Algumas precisam ainda de lei para vender, ou do Congresso, ou de decreto, ou de PEC, ou de Medida Provisória. Isso tudo pode demorar entre 1 e 2 anos. Estamos sendo cuidadosos e colocando as mais fáceis de vender para dar volume e velocidade, mas vamos vender o máximo possível de empresas até 2022.

Temos oito grandes grupos empresariais, entre nacionais e internacionais, interessados em comprar os Correios
Salim Mattar

O senhor afirmou que leva cerca de dois anos para se privatizar uma estatal no Brasil. Será apresentado algo que vise dar celeridade a esses processos?
Boa pergunta. Estamos elaborando um fast track, uma modelagem para que tenhamos um atalho e encurtar esse tempo. Isso está em estudos no Ministério da Eeconomia e, em algumas semanas, estará pronto. Mas vai depender também do Congresso, depende de aprovação.

O que seria esse projeto?
O fast track tenta encurtar todos os prazos para poder vender uma companhia. O BNDES tem que contratar, através da Lei 8666, consultorias, que demanda tempo, essas consultorias vão modelar o negócio, que leva mais tempo. Depois, tem que contratar um banco de investimento para vender a empresa, demora mais um tanto.

É claro que as coisas de governo precisam ser feitas de forma cuidadosa, é um bem público, é preciso ser zeloso. Essas empresas pertencem ao cidadão pagador de impostos. A empresa não é da União. União, para mim, é a tradução de “cofrinho dos pagadores de impostos”. O nosso plano e é reduzir esse prazo, deixar o Estado mais leve e permitir que o mercado seja mais competitivo, mais arejado.


Vamos anunciar mais um lote de estatais que serão privatizadas ainda este ano, contendo entre seis e dez empresas
Salim Mattar

O governo anunciará mais empresas que serão privatizadas? Quais?
Vamos anunciar mais um lote ainda este ano. Estamos estudando todas elas, mas não temos ainda definido quais serão. Esse pacote deve ser anunciado em trinta dias, que se somará às 17 que temos atualmente. Mas, lembra que temos 205, hein? Acreditamos que, com a capitalização da Eletrobrás, que tem muitas subsidiárias, vamos reduzir significativamente esse número.

A Petrobras tem feito um espetacular trabalho, concentrando a empresa a ser mais competitiva na perfuração de postos de extração de petróleo, que é o que dá dinheiro. Aqueles outros negócios de transporte, gás, posto de gasolina, através do Roberto Castello Branco, estão mais enxutos. Além disso, estamos reduzindo dívida. A ação da Petrobras subiu muito e hoje é uma empresa isenta de corrupção.

Qual o tamanho do pacote de privatizações que o governo vai anunciar?
Algo entre seis e dez empresas. É um número palatável para o BNDES poder trabalhar em 2020 e 2021.

Há perspectivas de mais anúncios de privatização no ano que vem?
Estamos nos concentrando nesse novo pacote. Em janeiro, fevereiro, estabeleceremos o plano de 2020.


Os funcionários dos correios quebraram os correios
Salim Mattar

O presidente disse que esforços iniciais para privatizações seriam nos Correios. Na terça-feira, Montezano afirmou que, se a estatal não for privatizada em breve, “pode ser tarde demais para vendê-la". Como está a articulação para que isso aconteça? Há alguma previsão ou meta?
Os Correios são uma empresa muito grande, com mais de 100 mil funcionários, quando bastavam 50 mil para funcionar. Há agravantes como o rombo no Postalis, o rombo no sistema de saúde com também, porque era possível levar pai, mãe, papagaio.

Quebrou. Os funcionários dos correios quebraram os correios. Há uma média de um presidente a cada dois anos nos Correios, não tem como uma empresa dessa ser eficiente e lucrativa. Temos que tirar o Estado do mundo dos negócios.

Há especulações de que a Amazon e o grupo Alibaba estariam interessados nos Correios. Há alguma conversa com esses ou outros grupos empresariais?
Por uma questão de negócios, não podemos comentar isso, nem citar nomes, mas temos oito grandes grupos empresariais, entre nacionais e internacionais, interessados em comprar os Correios. Isso significa que aquele ativo é mal gerido na mão do governo, mas será bem gerido na mão da iniciativa privada.

O senhor afirmou que o modelo pelo qual aconteceria a privatização ficaria mais claro em 2020. Qual é o plano para conduzir o processo?
Deixaram para nós um jabuti pendurado. Algumas empresas, para serem privatizadas, precisam de Lei para vender. Por exemplo, aquelas que comercializam sangue, como a Hemobrás, só podem ser atuar pelo Estado.

Imagina, que besteira! Fruto da constituição cidadã, uma aberração. Para vendê-la, por exemplo precisamos da Câmara, mas o Congresso está muito receptivo às privatizações, há uma sensatez muito grande naquela casa. Esse Congresso é muito responsável. Tenho certeza que vão aprovar (o fast track), talvez mais cedo do que estamos pensando.

Nos últimos anos, a presença de pessoas da iniciativa privada na política ganhou protagonismo. Alexandre Kalil em Belo Horizonte, João Doria em São Paulo e o apresentador Luciano Huck são exemplos. O senhor foi uma dessas pessoas. Qual foi o maior choque de realidade que o senhor teve?
A lentidão. O Estado é lento demais, por isso temos que reduzir o tamanho desse Estado gigantesco, obeso, lento, burocrático e que custa muito para o cidadão. O que mais me estranhou é a lentidão da tomada de decisão. Porque o Estado pertence ao cidadão, então é necessário um arcabouço de legislação para poder proteger os bens dele. Mas é excessivo.

Quando explica sua decisão de ir para o governo, o senhor fala quase como se houvesse um “chamado à responsabilidade”. Quais foram as razões que o levaram à política?
Assisti durante o governo petista, ao saque da nação. Mensalão, Petrolão, BNDES, Caixa Econômica. Aquilo me deixou indignado e, quando entrou um presidente que comunga com meus valores, que é conservador nos costumes e que tem na economia um liberal, pensei "poxa, nunca tivemos isso no governo". E vendo meu amigo (Paulo) Guedes…

Foi ele quem o chamou?
Foi. Insistiu algumas vezes, e decidi fazer minha contribuição para o governo. Como eu digo, na minha vida empresarial, meu maior problema não eram concorrentes, mas o governo.

O Congresso demonstrou o seu comprometimento com a causa Brasil
Salim Mattar

Como você entende esse movimento de aproximação da iniciativa privada e Estado? O seu cargo, de “desestatização”, é curioso nesse sentido, quase como se estivesse, de dentro do Estado, desmontando-o.
Exatamente. Precisamos colocar mais pessoas da iniciativa privada no governo para dar uma chacoalhada. Está sendo muito bom esse choque, que está arejando o governo. Principalmente com nossa visão liberal, ética, de redução do tamanho do Estado. O Estado custa demais.

Qual é o papel do Estado na sua visão?
O Estado foi desvirtuado, se serve do cidadão. Temos que inverter isso e é para isso que estamos lá. O cidadão pagador de impostos merece nossa atenção. Vamos deixar um legado nisso.

Qual é a sua avaliação sobre a reforma da Previdência? Há vetos e mudanças na proposta original apresentada pelo Executivo.
O Congresso se mostrou responsável na votação da Previdência. Está passando por pequenos ajustes, mas vai ser uma grande reforma.

No governo (Michel) Temer, falava-se em uma reforma que inicialmente economizaria R$ 600 milhões e que, depois da tramitação, terminaria poupando R$ 400 milhões. Fizemos uma de R$ 900 milhões. Foi um sucesso e o Congresso demonstrou o seu comprometimento com a causa Brasil.

Durante a tramitação, houve acusações de que o governo não estaria articulando de forma correta e que o protagonismo estava no Congresso. Como o senhor avalia isso?
Coisas da democracia, absolutamente natural. A democracia é um ambiente onde poderes diferentes buscam espaço. É normal, uma demonstração da brilhante democracia que temos.

A próxima grande batalha do governo nas instâncias legislativas deve ser a reforma tributária. Como o senhor analisa a proposta apresentada e quais são as expectativas para a tramitação e aprovação do texto?
Não posso adiantar o conteúdo da proposta do governo, mas a reforma mais importante depois da Previdência é a Tributária. O resultado da proposta que vai sair é o resultado do entendimento do Congresso, que representa a sociedade. Pode não sair a melhor reforma tributária, mas vai ser uma boa. Estou bastante confiante.

Há perspectiva de que o mundo caminhe para uma recessão nos próximos anos. O senhor acredita que esse clima internacional pode atrapalhar as privatizações?
Quando falamos em cenário mundial, crise é natural. Há dois meses, havia crise entre China e os Estados Unidos. Na semana passada, na Arábia Saudita. Qual será a próxima crise? O mundo continua. Crise faz parte do processo de desenvolvimento da sociedade humana. Não podemos ficar paralisados diante das crises, elas vão acontecer. No dia que acontecer, a gente vê o que faz.

Em Minas Gerais, o governador Romeu Zema está articulando a privatização da Cemig. O governo do Estado e o Federal são alinhados quanto às políticas econômicas, mas há grande dificuldade em relação à privatizações em Minas, por empecilhos legislativos. Há algum apoio? Alguma conversa?
Não. O governo federal já tem problema demais. Estamos cuidando dos problemas federais, os Estados cuidam dos deles, assim como os municípios. O governo liberal tem como princípio não interferir na vida das outras esferas da Federação.

Paulo Guedes está altamente comprometido, vai estar até o fim do governo
Salim Mattar

O senhor afirmou algumas vezes que não há tempo em um mandato para fazer tudo o que “é preciso” ou o que querem como governo. Isso quer dizer que há planos para 2022?
Esse aspecto político não cabe a mim. Nosso mandato termina em 2022. Se o presidente for reeleito, ou no lugar dele alguém com pensamento liberal, continuaremos o trabalho.

O senhor disse, no início do mês, que a exoneração de Marcos Cintra da Receita Federal é “um movimento normal” em governos e foi “somente ajuste de peças”. Há mais peças a serem ajustadas? Como você avalia a composição atual do governo?
Em nove meses, tivemos apenas duas peças importantes substituídas. Quando uma orquestra se junta, às vezes um músico atrasa para chegar no ensaio, ou desafina. É natural que haja remoções.

Dois casos aconteceram: Levy, do BNDES, e Cintra, na Receita. Praticamente zero. Houve mudança substancial para melhor no BNDES com (Gustavo) Montezano. Levy é um brilhante economista, mas como gestor esperava-se mais dele.

O caso do (Marcos) Cintra é muito recente, não tenho comentários ainda.

O senhor é próximo ao ministro Paulo Guedes há muito tempo. Há especulação de que ele pode, em algum momento, deixar o cargo. Como analisa isso?
Paulo Guedes é firme como uma rocha. Ele está no governo por propósito, abandonou seus negócios, ele é bilionário. Largou tudo para estar no governo e gostaria de deixar a marca dele, a marca liberal. Pela primeira vez na história.

Não podemos fracassar, temos que ser um exemplo de governo nesses quatro anos, deixar um legado de liberais que o Brasil não conhece. Guedes está altamente comprometido, vai estar até o fim do governo e a relação do presidente com o ministro é maravilhosa. As informações são do portal O Tempo.

COMENTÁRIOS

Nome

AACB,4,AADC,21,ABAICT,2,Abaixo-assinado,7,Abertura de Capital,7,Abono Pecuniário,3,Abrapp,4,AC Central,1,AC Parelheiros,1,AC São José,1,Ação FGTS,1,Ação INSS,1,Acessibilidade,1,Acidente,7,Ações Trabalhistas,1,Acordo Coletivo,2,ACT 2016/2017,15,ACT 2018/2019,112,ACT 2019/2020,178,ADCAP,96,Afastamentos,2,Agência,63,Agências Marketing,2,Agências Modulares,7,Agressão,2,AGU,3,Água,1,ALAC,1,ALBA,2,ALEPA,1,ALEPI,2,ALESP,2,Alibaba,1,ALMG,7,ALMT,1,Aluguel,1,Alunos,1,Amazon,3,Ambulatório,3,ANAC,2,ANATECT,7,ANATEL,5,Animais,10,Anistia,3,ANS,11,ANVISA,1,Aplicativo,2,Aposentados,22,APP,1,Apreensão,10,Ar Condicionado,4,ARACT-SP,3,Área de Risco,3,Arrombamento,5,Artigo Correios,3,Assaltos,62,Assédio,2,Assédio Moral,2,Assembleia,2,Assessores Especiais,2,Assistência Médica,1,ATAs,1,Atendente Comercial,3,Atendimento CorreiosSaúde II,1,Atendimento Digital,2,Atestado,1,Atleta,2,Atrasos,8,Atropelamento,3,Atualização Cadastral,1,Audiência Pública,77,Auditoria,3,Autoatendimento,4,Auxiliar de Enfermagem,3,Auxílio Doença,2,Auxílio-creche,1,Azul,16,Bala Perdida,1,Balanço,2,Balcão do Cidadão,12,Banco Postal,29,Banco24Horas,3,Baterias,2,BB,2,BDO Brasil,1,Benchmarking,1,Benefícios,11,Bicicleta,1,Black Friday,5,Bloqueio,1,BNB,2,BNY Mellon,16,Boca no Trombone,7,Boletim das Estatais,2,Boleto,14,Cachorro,4,CADE,17,Cães,1,Caixa Inteligente,2,Caixa Postal,1,Caixa Postal Comunitária,1,Cajamar,1,Calote,2,Câmara de Conciliação,1,Caminhada,1,Caminhão,1,Caminhões,1,Campanha Salarial,153,Canal Descomplica,1,Cancelamento,1,Capitalizar,1,Carlos Fortner,5,Carnaval,1,Cartas,3,Carteira de Trabalho,5,Carteiro,52,Carteiro Motorizado,2,Carteiro Poeta,1,Casamento,1,CAT,2,CBDA,7,CBHb,3,CBS,1,CBT,1,CCT,3,CDD Antonina,1,CDD Barra,1,CDD Barro Duro,2,CDD Botafogo,1,CDD Capão Redondo,5,CDD Capela do Socorro,3,CDD Carlos Olímpio,4,CDD Colombo,1,CDD Copacabana,1,CDD Curicica,2,CDD Del Castilho,1,CDD Embu,3,CDD Freguesia,1,CDD Guaianazes,1,CDD Itapecerica,4,CDD Jardim Odete,1,CDD Madureira,1,CDD Oeste,1,CDD Parelheiros,1,CDD Parque Cocaia,4,CDD Parque São Vicente,1,CDD Polo,1,CDD Ponta Porã,1,CDD Registro,2,CDD São Braz,1,CDD São Mateus,1,CDD Taboão da Serra,2,CDD Tanque,1,CDD Taquara,1,CDD Vila das Belezas,1,CDH,17,CEE Jacarepaguá,1,CEE Laranjeiras,1,CEE Santo Amaro,1,CEGEP,2,Central Braille,1,CEP,1,Certificação,1,CGPAR,8,CGR,1,CGU,3,Chip Amarelinho,6,Cinesioterapia Laboral,1,Clipping,1998,Cobertura,1,Cobrança Mensalidade,1,Comércio Virtual,1,Comissão Acidente de Trânsito,1,Compra Fora,4,Comprovante de Rendimentos,2,Comunicado,48,Concurso,15,Condições de Trabalho,13,Congresso,5,CONREP,5,Conselho de Administração,4,Conselho Deliberativo,6,Consin,2,Constituição,1,Contaminação,1,Contas Públicas,1,CONTECT,1,Contra a Privatização,134,Contrabando,1,Contrato de Trabalho,1,Contribuição Extraordinária,3,Contribuição Sindical,1,Convocação,1,Copa do Mundo 2018,1,Correios,100,Correios Aqui,6,Correios Celular,15,Correios Notícias,8,Correios Saúde,1,Correios Saúde II,16,CorreiosPar,2,Correspondências,1,Corrupção,1,Corte de Energia,1,Cortes de Despesas,3,Cosit,2,COVISA,1,CPF,1,Crediamigo,1,Crédito Salário,1,Crescimento,1,Cronograma de Empréstimos,12,CSP Conlutas,1,CTB,1,CTC Santo Amaro,2,CTCE,1,CTCE Contagem,1,CTCE Santos,2,CTCE São José,1,CTCE Vila Maria,1,CTO,1,Custos,1,CUT,1,CVM,8,Dano Moral,5,Data Comemorativa,13,DDA,24,De Brasil a gente entende,1,Déficit,1,Demissão,10,Demissão Acordada,1,Demissão Motivada,16,Dengue,1,Depoimento,1,Deputado,1,Desconto Greve,5,Descredenciamento,1,Desestatização,3,Despacho Postal,22,Despedida,1,Despesas com Pessoal,1,Destaque,1054,Desvio,3,Desvio de Função,1,DHL,1,Dia do Carteiro,7,Diárias,1,Diário Oficial,1,DIEESE,2,Diferencial de Mercado,3,Digital,6,Direitos dos Empregados,22,Diretorias,5,DIRF,1,DNI,2,Documentos Perdidos,3,Domingo,1,e-Carta,2,e-commerce,4,Edison Lobão,1,Editorial,1,Eleições,7,Empréstimos,3,Enceja,1,Encomendas Internacionais,4,Encontro de Mulheres,1,ENEM,5,Enfermeiro do Trabalho,1,Entrega Correspondências,1,Entrega Interativa,3,Entrega Matutina,8,Ernesto Araújo,1,Esclarecimento,7,Escolta,2,ESMEC,1,Estadão Conteúdo,1,Estado de Greve,24,Estatais,60,Estatais Estratégicas,1,Estatuto Social,2,Estrutura Organizacional,1,Exames Periódicos,2,Exclusão Pai/M/ãe,25,Exclusiva,84,Extinção,1,Extrato,2,Extravio,2,FAACO,10,Fabio Faria,1,Fake News,1,Falecimento,1,Falta Estrutura,1,Fechamento,50,FEDERAÇÕES,544,FEDEX,1,FENTECT,374,Férias,5,Fernando de Noronha,1,Ficha Financeira,1,Filho Especial,1,Filiação Partidária,1,FINDECT,268,Fiscalização,2,Floriano Peixoto,26,Fogo Veículo,1,Folga,1,Folha de Benefícios,1,Folha de Pagamento,1,Força-Tarefa,1,Franqueadas,1,Fraude,11,Frente Parlamentar,27,Frete,1,Frota,1,Funções,1,Fundos de Pensão,69,Furto,1,FUSP,1,G1,1,Geap,2,GEDIS,1,GERAE,18,Geral,706,Gestão de Riscos,1,Gilberto Kassab,5,GOL,1,Golden Share,1,Google,1,Gratificação de Função,3,Greenfield,33,Greve,125,Histórias,10,Horas Extra,3,Importa Fácil,1,Incêndio,7,Inclusão Dependentes,1,Incorporação de Função,5,Indenização,1,Indicação,1,Indicação Política,3,Informa Postalis,5,Informe Jurídico,291,Insegurança,5,INSS,4,Insumos,1,Interdição,7,Internações,2,INTERSINDICAL,1,Intervenção,11,IPO,2,IRRF,5,Jair Bolsonaro,39,Joint Venture,13,Jornada Trabalho Reduzida,3,Jovem Aprendiz,3,Justa Causa,3,Kassab,6,Lançamento,1,LATAM,5,Lei das Estatais,3,Leilão,2,Leitura,1,Licença-Paternidade,2,Licenças,2,Licitação,6,Limpeza,1,Livre Escolha,2,Lockers,1,LOEC,1,Logística,3,Logística Pluvial,1,logística Reversa,1,Lojas Virtuais,1,LTR,1,Lucro,5,Luta Unificada,34,Malware,1,Manifestação,1,Manpoc,1,Manuais,2,Marcos César,25,Marcos Pontes,24,Mato Grosso,1,MCTIC,2,Mediação,6,Médico do Trabalho,4,Meio Ambiente,1,Mensagem Final de Ano,1,Mensalidade,3,Mercado Livre,2,Mesa de Negociação,17,Metas,1,Milton Lyra,2,Minas Gerais,2,Ministério da Economia,5,Ministério da Fazenda,1,Ministério do Planejamento,10,Ministério do Trabalho,1,Ministro,1,Monopólio,4,Morto,3,Motociclistas,6,Mourão,3,MP 873/2019,2,MPF,43,MPT,9,MTE,2,multiatendimento financeiro,1,Negativa de Autorização,1,NIPs,1,Novo Diretor,3,OAI,1,Obesidade,1,OBMEP,1,OJ247,17,Operação Pausare,3,Operação Recomeço,3,Operação Rizoma,7,Operador de Empilhadeira,1,Operadora São Francisco,1,Opinião Ecetista,2,Orlando Silva,1,OTT,8,Outubro Rosa,1,Ouvidoria,3,Pagamento,1,Pagamento Abono,2,Palocci,3,Panorama das Estatais,1,Papai Noel dos Correios 2018,13,Paralisação,9,Parceria,6,Parecer,1,Passe Livre,1,Paternidade,1,Patrocínios,19,Paulo Guedes,29,Paulo Paim,4,PBM,2,PCCS1995,6,PCCS2008,1,PDI,3,PDV,34,PEC,1,Pensionistas,2,Percorrida,3,Periculosidade,1,Perseguição,6,Pesquisa,5,PGR,3,Plano BD,9,Plano de Custeio,1,Plano de Saúde,21,Plano Família,18,Plantão Negociação 2018/2019,19,Plantão Negociação 2019/2020,12,Plenária,2,PLP 268/2016,1,PLR,1,Podcast,1,Polícia Federal,27,Políticas de Investimento,1,Portabilidade,1,Portaria,6,Posse,4,Postal Saúde,219,Postalis,484,Postalis Digital,5,PostalPrev,11,PPI,30,Praect,2,Premiação,7,Presidente,51,Prestador,2,Prestador Suspenso,2,Previc,21,Primeira Escolha,1,Primeira Hora,177,Privatização,148,Processo,22,Processo Seletivo,2,Procon,2,Professor Igor Venceslau,4,Professora,1,Projeto de Lei,11,Promoções Horizontais,2,Protesto,3,Quadro de Funcionários,6,Qualidade,1,Quarentena,1,Quitação Eleitoral,1,Racionalização,2,RAI,1,Reabilitação,3,Readequação,23,Reajuste,2,Reajuste de Tarifas,5,reca,1,Recadastramento,11,Receita Federal,17,Reclamações,6,Reclame Aqui,1,Redação,3,Rede Corporativa,2,Rede GIRC,1,Redução da Jornada,1,Reembolso,2,Reenquadramento,3,Reestruturação,6,Refém,5,Refis Postal,2,Reforma da Previdência,4,Reforma Trabalhista,7,Registrados,1,Reintegração,1,Renan Calheiros,1,Renegociação,2,Renovação Frota,2,Rentabilidade,3,REP,3,Reprecificação,1,Restruturação,8,Resultados Operacionais,2,Reunião Presidente,1,RFID,1,Rodrigo Maia,1,Rombo,1,Roubo,15,RTSA,1,Rua Legal,1,Sala de Imprensa,408,Salários,2,Salim Mattar,10,Saúde Bucal,2,Saúde da Mulher,8,Saúde em Dia,4,SD,2,Seguradora,1,Segurança do Trabalho,1,Seguro de Vida,3,Selos,20,Semana do Brasil,1,Sequestro,9,Série,7,Série Correios,1,Série Correios Saúde II,11,Serviços Postais,2,SEST,6,Sincort-PA,12,Sincotelba,30,Sindecteb,35,Sindicato,902,Sintcom-PR,62,Sintect-AC,25,Sintect-AL,120,Sintect-AM,5,Sintect-AP,13,Sintect-CAS,13,Sintect-CE,15,Sintect-DF,67,Sintect-ES,49,Sintect-GO,46,Sintect-JFA,5,Sintect-MA,50,Sintect-MG,25,Sintect-MS,42,Sintect-MT,31,Sintect-PB,35,Sintect-PE,32,Sintect-PI,52,Sintect-RJ,171,Sintect-RN,19,Sintect-RO,7,Sintect-RPO,16,Sintect-RR,1,Sintect-RS,63,Sintect-SC,29,Sintect-SE,14,Sintect-SJO,2,Sintect-SMA,5,Sintect-SP,208,Sintect-STS,14,Sintect-TO,16,Sintect-URA,13,Sintect-VP,11,smartphones,4,SMS,1,Social,2,SOFT,1,SQUASH,1,STF,34,STJ,3,Superintendente,1,Taxa Emergencial,2,Taxa Extra,5,Taxa Homologação Importados,5,TCU,11,Tecban,1,Tecnologia,1,Tele Sena,2,Teletrabalho,1,Terceirização,9,Termo Aditivo,1,Tesouro Nacional,1,Teto Salarial,1,TFD,1,TJCE,1,Todos Pelos Correios,12,Top of Mind,3,Tragédia,1,Transferência,2,Transportadora,1,TRF,9,TRT,52,TSE,3,TST,153,UBER,2,UD Juquitiba,4,União,2,Unidas,1,Uniforme,1,Universitários,2,UPAEP,1,UPS,1,UPU,5,URP,1,USPOST,1,Vale Alimentação,4,Vale Extra,2,Vale Refeição,2,Vale Transporte,4,Venda Imóveis,7,Vice-presidente,9,Vídeo,1201,Violência,1,Vírus,1,Visa,4,Viver os Valores,2,Whatsapp,2,
ltr
item
Correios do Brasil - Funcionários: Herói dos empresários, Salim Mattar quer privatizar tudo
Herói dos empresários, Salim Mattar quer privatizar tudo
Em entrevista exclusiva, o secretário especial de Desestatização revela que oito grupos empresariais estão interessados nos Correios e diz que governo vai anunciar 10 estatais que também serão privatizadas
https://1.bp.blogspot.com/-1zLfdrmcl3w/XYirdGQADVI/AAAAAAAAVlU/Y78Gi3-BqZcXzzt3QvwzKY1-u7s7tMbAwCLcBGAsYHQ/s320/Salim%2BMattar.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-1zLfdrmcl3w/XYirdGQADVI/AAAAAAAAVlU/Y78Gi3-BqZcXzzt3QvwzKY1-u7s7tMbAwCLcBGAsYHQ/s72-c/Salim%2BMattar.jpg
Correios do Brasil - Funcionários
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/2019/09/heroi-dos-empresarios-salim-mattar-quer.html
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/2019/09/heroi-dos-empresarios-salim-mattar-quer.html
true
4537349496477451586
UTF-8
Carregar todas as postagens Não encontrou nenhuma mensagem VER TUDO Leia mais Resposta Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTAGENS Ver Tudo RECOMENDADOS PARA VOCÊ NOTÍCIAS SOBRE ARQUIVO BUSCA TODAS POSTAGENS Não foram encontrados resultados com a sua palavra Voltar ao inicio Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 houra atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago Mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Compartilhe para desbloquear Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para a área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar