Carteiros fazem "investigação" na hora de entregar cartas

“Censo” dos Correios

Você já reparou que, depois que o carteiro termina de entregar cartas na sua caixa de Correio, ou depois que você assina uma entrega registrada, ele fica parado na frente da sua casa, olhando para o seu imóvel e fazendo anotações? Pois bem, ele está preenchendo um questionário para informar aos Correios se na sua casa há crianças e idosos (e quantos), se há animais e equipamentos de segurança, se na sua garagem tem carro, moto ou caminhão.

Segundo os Correios, a intenção é elaborar uma lista qualificada, visando o envio de malas diretas, uma forma de modernizar os serviços, gerar novos negócios e, claro, lucrar mais. Já para os carteiros e para o sindicato que os representa, o novo serviço está sobrecarregando o trabalho, e tem objetivos questionáveis.

A Tribuna acompanhou o trabalho de um carteiro em Curitiba – que não será identificado para evitar represálias – para ver como funciona o questionário. Ele já sai da empresa com uma lista nas mãos, contendo os CEPs e os números das casas em que há cartas e encomendas a serem entregues. Após cada entrega, ele preenche ao lado do CEP “Sim” ou “Não” e as quantidades do que ele observa nas casas (crianças, idosos, segurança, animais, carro, moto, caminhão e se o imóvel está vago). A direção dos Correios orienta que os carteiros preencham o questionário somente com base em observação, pelo lado de fora dos imóveis (na rua), e que não pergunte nada aos moradores, para não caracterizar, perante a legislação, nenhuma “invasão de privacidade”.

Trabalheira danada
Com o déficit de pessoal, carteiros andam mais e entregam mais encomendas, além de, agora, preencher questionários.  Foto: Átila Alberti
Os carteiros não enxergam a nova atividade com bons olhos. Conforme o Sindicato dos Trabalhadores nos Correios do Paraná (Sintcom-PR), a quantidade de profissionais trabalhando nas ruas diminuiu muito nos últimos anos pois, desde 2011, não há concurso público na estatal. Em 2013, diz o Sintcom, os Correios tinham 6.900 funcionários no Paraná. Atualmente, há 5.600 profissionais. Pouco mais da metade é composta por carteiros (2.900). Com a redução, os carteiros precisaram absorver rotas de trabalho que não eram suas. Ou seja, andam mais e entregam mais encomendas, além de, agora, preencher questionários.

Sem contar outras atividades que nos foram inseridas com o tempo. Na entrega registrada, por exemplo, antes a gente tinha que apenas pegar a assinatura da pessoa que recebia a encomenda e pronto. Agora não. Temos que registrá-la no celular também. E de vez em quando também temos que entregar panfletos de propaganda, intercalados no meio das correspondências, como ofertas de supermercado, propaganda política, etc. Porém preencher questionário não é nossa função. Esse tipo de pesquisa tem que ser feita pelo IBGE”, analisa o carteiro.

Tempo “perdido
Para o diretor de comunicação do Sindicato dos Trabalhados nos Correios do Paraná (Sintcom), Ezequiel Dutra, o preenchimento do questionário, além de não ser função do carteiro, viola os direitos do cidadão, que não está sabendo desta pesquisa e para quê os dados serão utilizados, já que não houve nenhum tipo de divulgação sobre isto.

O sindicalista também mostra como o preenchimento do questionário toma tempo dos funcionários, já sobrecarregados pelas funções normais. Ele dá como exemplo um setor do bairro Uberaba, onde o carteiro desta rota leva consigo, diariamente, um questionário com cerca de 86 páginas. Em cada uma, há 10 ou mais casas. “Então já são quase 900 casas para ele observar e preencher o questionário. Vamos supor que ele leve de dois a três minutos por casa. Olha quanto tempo a mais de trabalho”, mostra Ezequiel. (GU)

Pesquisa pra quê?
Correios se defendem afirmando que o serviço visa fazer listas qualificadas para melhorar os serviços. Foto: Átila Alberti
Diversas empresas no Brasil coletam dados gerais para a elaboração de listas qualificadas visando ao envio de mala direta para oferta e publicidade de seus produtos e serviços. Os Correios, atentos a essa necessidade de mercado, vêm implementando mecanismos de levantamento de informações de caráter geral para o desenvolvimento de soluções para esse segmento. A coleta de dados pelos carteiros, a qual se encontra em fase de projeto em algumas localidades, é executada por meio de observação e anotação de elementos visíveis de empresas – ramo de atividade – e de domicílios, como a existência de veículo, cachorro etc., sem entrevistas ou identificação do morador. Ressalte-se que essas informações ficarão armazenadas no banco de dados dos Correios e não serão fornecidas aos clientes. Esses dados permitirão a qualificação do perfil sócio econômico do bairro, sem adentrar em aspectos de caráter pessoal, de forma a não caracterizar invasão de privacidade.”, explica a nota enviada pelos Correios.

Conforme a empresa, com os dados estruturados, será possível distribuir malas diretas, as quais são impessoais, para regiões e endereços qualificados. Por exemplo, um representante comercial de alimentos pode contratar os Correios para entregar amostras/brindes ou peças publicitárias para restaurantes.

Para a empresa, também não é ilegal a prática de distribuição de panfletos (ou malas diretas) nos endereços, sem que as pessoas as solicitem, como forma de divulgar um novo comércio no local ou divulgar uma campanha governamental, por exemplo, pois isto já é feito comumente por outras pessoas ou empresas. (GU)

"Censo" dos Correios.
Pesquisa “neandertal
Já parou pra pensar que os Correios querem fazer o que Google e Facebook, por exemplo, já fazem conosco há muito tempo? Você já reparou que, conforme o conteúdo que você busca no Google, coisas que você posta nas redes sociais ou notícias que você acessa no navegador (computador, tablete ou celular), propagandas “personalizadas” a este conteúdo começam a aparecer por todos os cantos do seu navegador, na timeline do seu Facebook ou no seu e-mail? Pois bem, tudo o que você digita e posta entra em bancos de dados, cujas informações são cruzadas e “devolvem” a determinados usuários as propagandas personalizadas. As “donas” dos anúncios pagam às empresas de bancos de dados para que tenham suas propagandas divulgadas a estes usuários “personalizados”.

Ninguém mais liga tanto pra isto, já que para usar uma rede social ou aplicativo de busca, somos obrigados a aceitar os termos de uso, que dizem que nossas informações serão usadas desta forma. “Parando para pensar, Facebook e Google já fazem isto conosco. Os Correios querem coletar nossos dados, para nos ‘devolver’ propagandas personalizadas”, analisa o professor de Direito da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Egon Bockmann Moreira. Mas o professor questiona a confiabilidade e a segurança dos dados coletados.

Se você levar esta pesquisa para qualquer faculdade, para que se estude a metodologia da coleta de dados, não há lógica. Primeiro que as pessoas que estão aplicando a pesquisa não possuem conhecimento para isto. Segundo, não há uma metodologia científica. E se o carteiro passa na hora que não tem ninguém em casa? E se passa na hora que tem carros de visitantes na garagem? Da forma como a pesquisa está sendo feita, os dados não possuem fidedignidade, o resultado não terá consistência”, diz o professor.

O Facebook consegue saber se as pessoas num determinado local gostam de country music ou de Jack Daniels, por exemplo, e ele vende estas informações. Isso não é ilegal e juridicamente já está pacificado. Correios só estão tentando entrar nesse mercado – milionário, diga-se de passagem – mas de forma Neandertal, no lápis e papel. O problema está na possibilidade de identificar estas pessoas”, diz o professor, que não considera ilegal a coleta de dados, feita do lado de fora da casa das pessoas. Já os Correios garantem que a base de dados que está sendo montada não contém o nome ou o CPF das pessoas, apenas características visíveis dos endereços, o que não colocaria em risco a segurança das pessoas.

Mesmo assim, Egon se preocupa com a segurança dos dados armazenados. “O problema é quem terá acesso a essa base de dados? Ele será usado por terceiros? E se um hacker adentrar esse sistema, qual o protocolo de segurança? Ele vai saber que na casa X do Água Verde tem XX carros”, exemplifica o professor.

E a questão trabalhista?
Na visão do professor de Direito, ao preencher questionários os carteiros podem estar exercendo uma atividade para a qual não foram contratados. “Existe a função típica e as funções acessórias de um trabalho. O funcionário foi contratado para entregar cartas. Como função acessória ele tem que caminhar, coletar a assinatura de confirmação de recebimento da encomenda. Mas o perfil de pesquisador não tem nada a ver com o de carteiro. A CLT não permite que na ida você entregue cartas e na volta frite um pastel pra mim”, analisa o professor. Por Giselle Ulbrich, Tribuna PR.

COMENTÁRIOS

Nome

33 CONREP,3,AACB,1,AADC,8,Abono Pecuniário,3,ACT 2016/2017,15,ACT 2018/2019,35,ADCAP,23,ALMG,1,ANATECT,2,Anistia,1,Aplicativo,1,Aposentados,2,ARACT-SP,1,Assaltos,3,Assédio Moral,1,ATAs,1,Banco Postal,23,Benefícios,8,Casamento,1,CDD Polo,1,CGU,1,Clipping,1318,Concurso,1,Conselho de Administração,1,Contra a Privatização,34,Copa do Mundo 2018,1,Correios,239,Correios Celular,4,CSP Conlutas,1,CTB,1,CUT,1,DDA,4,Destaque,793,Diferencial de Mercado,1,Digital,6,Direitos dos Empregados,22,DNI,2,Estadão Conteúdo,1,Estatais,4,Exclusiva,75,FAACO,3,Falecimento,1,FEDERAÇÕES,403,FENTECT,278,FINDECT,166,Fundos de Pensão,27,G1,1,Geral,364,Greve,18,Indicação,1,Informa Postalis,5,Informe Jurídico,205,INTERSINDICAL,1,Jovem Aprendiz,1,Lei das Estatais,1,Licenças,2,Luta Unificada,33,Manuais,2,Marcos César,9,Ministério do Planejamento,1,Motociclistas,4,MPF,4,OAI,1,Operação Rizoma,2,Paternidade,1,Patrocínio,6,Plantão Negociação 2018/2019,11,Policia Federal,1,Postal Saúde,74,Postalis,323,PostalPrev,1,Previc,1,Primeira Hora,162,Processo,21,Protesto,1,Seguro de Vida,2,Selos,1,Série,7,Sincort-PA,9,Sincotelba,17,Sindecteb,25,Sindicato,694,Sintcom-PR,42,Sintect-AC,14,Sintect-AL,80,Sintect-AM,5,Sintect-AP,11,Sintect-CAS,11,Sintect-CE,12,Sintect-DF,48,Sintect-ES,40,Sintect-GO,22,Sintect-JFA,2,Sintect-MA,32,Sintect-MG,17,Sintect-MS,28,Sintect-MT,23,Sintect-PB,30,Sintect-PE,25,Sintect-PI,43,Sintect-RJ,127,Sintect-RN,14,Sintect-RO,6,Sintect-RPO,14,Sintect-RR,1,Sintect-RS,50,Sintect-SC,27,Sintect-SE,7,Sintect-SJO,2,Sintect-SMA,5,Sintect-SP,119,Sintect-STS,11,Sintect-TO,13,Sintect-URA,9,Sintect-VP,9,TRT,25,TRT10,1,TSE,3,TST,12,Vídeo,870,XIIICONTECT,1,
ltr
item
Correios do Brasil - Funcionários: Carteiros fazem "investigação" na hora de entregar cartas
Carteiros fazem "investigação" na hora de entregar cartas
“Censo” dos Correios
https://2.bp.blogspot.com/-bATtZxyM1Ss/WrpaDhJvDjI/AAAAAAAANoI/Jf_pIpNjkWYyall6yVtKyuSIf_1yHLKPgCLcBGAs/s320/Carteiro.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-bATtZxyM1Ss/WrpaDhJvDjI/AAAAAAAANoI/Jf_pIpNjkWYyall6yVtKyuSIf_1yHLKPgCLcBGAs/s72-c/Carteiro.jpg
Correios do Brasil - Funcionários
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/2018/03/carteiros-fazem-investigacao-na-hora-de.html
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/2018/03/carteiros-fazem-investigacao-na-hora-de.html
true
4537349496477451586
UTF-8
Carregar todas as postagens Não encontrou nenhuma mensagem VER TUDO Leia mais Resposta Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTAGENS Ver Tudo RECOMENDADOS PARA VOCÊ TÓPICOS ARQUIVO BUSCA TODAS POSTAGENS Não foram encontrados resultados com a sua palavra Voltar ao inicio Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 houra atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago Mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Compartilhe para desbloquear Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para a área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar