Desmonte das estatais põe em risco realização de concursos públicos

Apagão postal pode colocar fim a maior empresa e melhor de credibilidade do Brasil – Correios

O tão desejado e esperado concurso público nos Correios e nas outras estatais sempre foi um instrumento pelo qual a população de modo geral buscava encontrar uma melhoria para o seu desempenho profissional e uma estabilidade no trabalho.  Mas nos últimos anos a coisa mudou radicalmente, sabe por quê?

Todos os anos, há um mau costume de que, quando se anuncia algum corte em gastos no orçamento do Governo, sempre é colocado na lista os concursos públicos. Recentemente aconteceu em 2008, aconteceu em 2011 e está acontecendo atualmente.

O correto seria o governo não contratar sem concurso, uma vez que todos os anos há aposentadorias, falecimentos e exonerações que precisam ser repostas prontamente. De acordo com o art. 37, II, da Constituição Federal, a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego. O governo não deveria evitar os concursos, tampouco por muito tempo. Barrar a realização dos concursos públicos é estancar o país. O país fica emperrado quando isso acontece.

Numa pesquisa realizada em sites de sindicatos e empresas públicas, podemos constatar uma defasagem de trabalhadores na maioria das Estatais. Um exemplo claro de como os órgãos do executivo federal encontram-se deficitários em número de trabalhadores é o do INSS, onde já existem aproximadamente 10 mil servidores em condições de aposentadoria. E olha que 10.000 vagas somente de aposentarias não é pouca coisa.


Quer mais exemplos?

A Receita Federal conta com 10 mil auditores, e segundo as informações das representações sindicais, esse número é só a METADE do ideal e desse número, 600 aposentam-se anualmente.

O MTE apresenta déficit de aproximadamente 5.000 auditores.

O Banco Central está com déficit de 37% de funcionários, considerado o maior déficit em 40 anos.

O INCRA perdeu mais de 2.500 servidores.

A CGU necessita de mais 5.000 servidores.

E nos CORREIOS, não é diferente, nosso efetivo necessita de mais 20.000 trabalhadores, tendo em vista que temos 10.000 trabalhadores a menos que dez anos atrás.

Agora me responda: Tem como os Correios e o país continuarem funcionando sem contratações? Não!!!

Nos últimos anos, foi realizado 5 planos de demissão voluntária e incentivada (PDV, PDI, PDIA), inclusive o último ainda está em curso. Como já destacado, saíram da ECT, nos últimos anos, mais de 10 mil trabalhadores e nenhuma dessas vagas foram repostas, causando um caos no serviço postal, atrasos nas entregas de encomendas devido ao efetivo reduzido e falta de segurança, outro ponto a ser destacado e de grande repercussão. Há muitos anos as entidades sindicais vêm cobrando medidas de segurança para garantir a integridade dos trabalhadores, porém nas últimas gestões dos Correios segurança ficou de lado, tanto dos seus empregados, quanto das encomendas que ali são entregues, deixando todos à mercê dos bandidos, causando um grande prejuízo à Empresa. Se é proposital ou não, cabe ao leitor avaliar os fatos.

E voltando a falar sobre concurso público, digamos mais: Esse filme já foi visto e revisto inúmeras vezes. Pesquisem por concursos suspensos ou não realizados de 2011 a 2016.

No ano de 2011 os concursos tiveram uma redução drástica e no decorrer do ano as nomeações ocorreram aos poucos, assim como novos concursos foram autorizados e realizados mais adiante, e o ano terminou com a liberação de 24.745 vagas apenas no Poder Executivo (GOVERNO FEDERAL). No fim das contas, aquele corte anunciado não foi tão radical assim como estava previsto, e muitas oportunidades foram abertas nas Estatais.

A não realização dos concursos públicos não foi uma medida isolada, uma mudança de rumo, e sim uma medida compatível com o pacote de medidas neoliberais anunciado. Os Concursos Públicos são e serão sempre ótima alternativa de emprego e não podem ser afetados pela crise. Nos últimos meses, após a mudança de Governo ocorrida através de um impedimento da Presidenta Dilma, o ideário neoliberal tem orientado a elaboração de políticas econômicas recomendadas por grandes agências internacionais e empresariado. Foram implementadas em vários países e o Brasil segue no mesmo caminha, voltando à velha política de desenvolvimento implantada nos anos 1990 durante o Governo FHC. O conjunto de regras neoliberais que estão sendo propostas:

  • Disciplina fiscal;
  • Redução dos gastos públicos;
  • Congelamento de salários do funcionalismo público;
  • Reforma tributária – aumento de impostos;
  • Abertura comercial;
  • Privatização de empresas estatais;
  • Desemprego; 
  • Desregulamentação (flexibilização de leis econômicas e trabalhistas);
  • Austeridade fiscal (redução da dívida pública e do tamanho do Estado).
Concluímos que, a longo prazo, tais medidas podem causar instabilidades, retrocessos e também aumentar a desigualdade social e de renda, minando assim o crescimento econômico – que é o grande objetivo de medidas neoliberais. É muito controverso falar em eficácia do neoliberalismo em melhorar a situação de países em desenvolvimento. Tal doutrina econômica continua a influenciar muitas decisões políticas no Brasil e no mundo.


O governo Temer sabe, no entanto, que quebrar a estabilidade do funcionalismo público não será tarefa fácil. O movimento sindical é muito atuante entre os servidores de todo o país e certamente fará de tudo para atrapalhar os planos de reduzir os direitos dos trabalhadores.

Brasil tem proporcionalmente menos servidores do que Alemanha e Dinamarca

Existe muita desinformação e má-fé quando se discute a necessidade de fortalecimento das instituições públicas, especialmente daquelas que atendem diretamente o cidadão, como no caso dos Correios. Os defensores do Estado Mínimo são os primeiros a atacar o suposto inchaço da máquina. Para muitos, o Brasil deveria seguir o exemplo dos países do chamado Primeiro Mundo: reduzir pessoal e os custos de manutenção da máquina pública, entregando de mão beijada à iniciativa privada a prerrogativa de prestar serviços essenciais à população, exemplo esse o dos Correios.

Você concorda que no Brasil tem muitos funcionários públicos? Veja então esse gráfico:


Diversas pessoas acham que existem muitos servidores públicos no Brasil e que precisamos de um choque! Defendem uma redução. No entanto, se compararmos o número de servidores públicos ao total de trabalhadores em uma amostra de países, o Brasil não lidera a lista, muito pelo contrário.

Dados oficiais dizem que, em 2013, o emprego no setor público brasileiro (federal, estadual, municipal e em empresas públicas) representava cerca de 12,11% do total de empregos, enquanto a média mundial era de 21,28%. Acima do Brasil aparecem desde os sonhos de consumo e de bem-estar social, como Dinamarca (31,89%) e Noruega (31,62%), até países de tradição bem menos estadistas, como Reino Unido (23,49%) e Canadá (20,43%). Conclui-se que o número de servidores públicos no Brasil está bem abaixo da média existente em muitos países em que nos espelhamos.

A ânsia da onda neoliberal pela diminuição do Estado brasileiro agride não apenas os números, mas a realidade, a família, a população de modo geral. Os noticiários nacionais ajudam a demonstrar que enquanto muitos buscam implantar a tese do Estado mínimo no Brasil, o País ainda nem chegou ao mínimo de Estado necessário para funcionar e prestar um serviço de qualidade a toda população brasileira.

Portanto, o movimento sindical dentro dos Correios precisa de um debate mais sofisticado para avançar. E esse refinamento deve partir da discussão em fóruns e debates, com a categoria e suas representações, mapeando em todo o Brasil e elaborando um documento com um número mais exato possível de defasagem de trabalhadores na empresa de Correios e quais funções deficitárias.

Douglas Melo - Diretor Sintect-SP
Ruam Carlos

COMENTÁRIOS

Nome

33 CONREP,3,AADC,7,Abono Pecuniário,3,ACT 2016/2017,15,ACT 2018/2019,8,ADCAP,15,ALMG,1,ANATECT,1,Aplicativo,1,Aposentados,1,Assaltos,2,Assédio Moral,1,ATAs,1,Banco Postal,23,Benefícios,8,Casamento,1,CDD Polo,1,CGU,1,Clipping,1291,Conselho de Administração,1,Contra a Privatização,34,Correios,237,Correios Celular,1,DDA,3,Destaque,769,Digital,6,Direitos dos Empregados,22,Estadão Conteúdo,1,Exclusiva,74,FAACO,2,Falecimento,1,FEDERAÇÕES,382,FENTECT,263,FINDECT,154,Fundos de Pensão,27,G1,1,Geral,340,Greve,18,Indicação,1,Informe Jurídico,197,Licenças,2,Luta Unificada,33,Manuais,2,Marcos César,6,Motociclistas,3,MPF,4,OAI,1,Paternidade,1,Patrocínio,6,Policia Federal,1,Postal Saúde,70,Postalis,300,Previc,1,Primeira Hora,157,Processo,21,Protesto,1,Seguro de Vida,2,Série,7,Sincort-PA,9,Sincotelba,17,Sindecteb,25,Sindicato,673,Sintcom-PR,42,Sintect-AC,14,Sintect-AL,73,Sintect-AM,4,Sintect-AP,10,Sintect-CAS,11,Sintect-CE,12,Sintect-DF,46,Sintect-ES,38,Sintect-GO,18,Sintect-JFA,2,Sintect-MA,32,Sintect-MG,15,Sintect-MS,25,Sintect-MT,23,Sintect-PB,30,Sintect-PE,25,Sintect-PI,42,Sintect-RJ,119,Sintect-RN,14,Sintect-RO,6,Sintect-RPO,14,Sintect-RR,1,Sintect-RS,48,Sintect-SC,27,Sintect-SE,7,Sintect-SJO,2,Sintect-SMA,5,Sintect-SP,114,Sintect-STS,11,Sintect-TO,12,Sintect-URA,9,Sintect-VP,9,TRT,25,TST,11,Vídeo,830,XIIICONTECT,1,
ltr
item
Correios do Brasil - Funcionários: Desmonte das estatais põe em risco realização de concursos públicos
Desmonte das estatais põe em risco realização de concursos públicos
Apagão postal pode colocar fim a maior empresa e melhor de credibilidade do Brasil – Correios
https://2.bp.blogspot.com/-zXa4B0MlWYE/WHZTiPpYN9I/AAAAAAAADQo/lY9dQAd9fxEFvDhVaBm-km94Oy2nJXnXACLcB/s320/moedadetroca.jpg
https://2.bp.blogspot.com/-zXa4B0MlWYE/WHZTiPpYN9I/AAAAAAAADQo/lY9dQAd9fxEFvDhVaBm-km94Oy2nJXnXACLcB/s72-c/moedadetroca.jpg
Correios do Brasil - Funcionários
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/2017/01/desmonte-das-estatais-poe-em-risco.html
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/
http://correiosdobrasilfuncionarios.blogspot.com/2017/01/desmonte-das-estatais-poe-em-risco.html
true
4537349496477451586
UTF-8
Carregar todas as postagens Não encontrou nenhuma mensagem VER TUDO Leia mais Resposta Cancelar resposta Apagar Por Início PÁGINAS POSTAGENS Ver Tudo RECOMENDADOS PARA VOCÊ ARTIGO ARQUIVO BUSCA TODAS POSTAGENS Não foram encontrados resultados com a sua palavra Voltar ao inicio Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Maio Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutes ago 1 houra atrás $$1$$ hours ago Ontem $$1$$ days ago $$1$$ weeks ago Mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO É PREMIUM Compartilhe para desbloquear Copiar todo o código Selecionar todo o código Todos os códigos foram copiados para a área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor pressione [CTRL] + [C] (ou CMD + C com Mac) para copiar